3 de agosto de 2020, 20h41

Jorge Jesus: "Vamos fazer uma grande equipa e vamos arrasar"

Futebol

Tudo o que disse o novo treinador, que foi apresentado no Benfica Campus, no Seixal.

APRESENTAÇÃO

Decorreu, esta segunda-feira, no espaço 360ºs do Benfica Campus, a cerimónia de apresentação de Jorge Jesus, novo treinador da equipa de futebol do Sport Lisboa e Benfica. O Presidente Luís Filipe Vieira e o administrador Rui Costa deram as boas-vindas ao técnico.

A cerimónia no Benfica Campus arrancou com a intervenção do Presidente do SL Benfica. "Hoje, começa um ciclo novo no Benfica", sublinhou Luís Filipe Vieira, que assegurou que o Clube tudo fará "para que a Família Benfiquista seja feliz nos próximos anos". "Damos-te as boas-vindas, esperamos voltar a ter a hegemonia completa do futebol português e queremos ganhar na Europa", desejou o Presidente, seguindo-se a mensagem de boas-vindas do administrador Rui Costa: "Bem-vindo, Jorge! O teu sucesso será o sucesso de todos os Benfiquistas."

Antes de responder a questões dos jornalistas, Jorge Jesus fez uma intervenção de agradecimento à confiança nele depositada.

"Quero agradecer ao Presidente por acreditar de novo no meu trabalho, na minha competência e da minha equipa técnica. Acredito no Presidente a 100 por cento e acredito no projeto que tem para a equipa do Benfica", começou por referir.

Discurso JJ Apresentação Benfica

"Falando dos Benfiquistas, dizer-lhes o seguinte: vim para ganhar! Estou habituado a ganhar, mas também vim para unir a Nação Benfiquista. Venho para um clube que pode proporcionar a qualquer treinador esses objetivos. Estou determinado e com muita vontade de ganhar coisas importantes no Benfica", enfatizou o treinador.

"Quando cá estive, ganhámos todas as competições e objetivos [nacionais] que havia para conquistar. Vim para o Benfica com essa convicção e certeza. Não sou o salvador. Salvadores somos todos, Benfiquistas e toda a estrutura. É para voltar a ganhar com este Presidente e com todos os Benfiquistas unidos", enfatizou Jorge Jesus perante uma plateia em que estavam os capitães de equipa Jardel, André Almeida, Pizzi, Samaris e Rúben Dias, a equipa técnica que acompanha o treinador, alguns antigos jogadores do Clube e vários elementos dos Órgãos Sociais, bem como o CEO do Grupo Benfica, Domingos Soares de Oliveira, além de muitos jornalistas nacionais e internacionais.

PERGUNTAS E RESPOSTAS

Nas respostas às questões colocadas pelos jornalistas, Jorge Jesus prometeu um Benfica a jogar o triplo, elogiou o Presidente Luís Filipe Vieira, assumiu que regressou por acreditar no projeto desportivo do Clube, reiterou a importância da Formação nas equipas portuguesas e desejou conquistar na Luz o paraíso em que viveu no Rio de Janeiro.

Prometeu o Benfica a jogar o dobro quando chegou em 2009. Atreve-se a fazer o mesmo? Necessita ou não de muitos reforços e de fazer uma grande transformação no plantel?

Claro que não direi que não tem de jogar o dobro, porque se não jogar o dobro, voltamos a não ganhar, como aconteceu nesta época. Temos todas as condições para fazer uma equipa muito forte. Toda a estrutura que envolve o futebol – eu divido a estrutura em dois: clube e futebol –, comandada pelo Presidente, vai reunir um leque de jogadores, em conjunto com os que cá estão, para fazer uma grande equipa. Não vamos jogar o dobro, vamos jogar o triplo!

Discurso JJ Apresentação Benfica

"Só uma pessoa e um clube me podiam retirar do Brasil. O Presidente convenceu-me a voltar a Portugal"

Há um ano, no Brasil, falávamos sobre o desafio que o tinha feito ir para lá. Que desafio é que lhe foi colocado, quer por Luís Filipe Vieira, quer pela estrutura do Benfica, que o convenceu a deixar o Flamengo e abraçar novamente este projeto chamado Benfica?

Não foi fácil. Só uma pessoa e um clube é que me podiam retirar do Brasil. O Presidente convenceu-me a voltar a Portugal, e eu gosto de desafios difíceis. Este clube tem um historial, e quem trabalhar nesta casa sabe que é um desafio difícil, motivador, mas sabe também que é um desafio com capacidade estrutural para atingir os objetivos que a grandiosidade do Clube exige. Para sair de onde saí, onde me adoravam, tinha de ser convencido por algo que me trouxesse uma nova vontade e um desafio diferente. O Presidente foi ao Brasil convencer-me de que este era o projeto certo e um desafio ambicioso para voltar a Portugal. 

Quando saiu do Benfica [em 2015], disse que deixou um Ferrari. O que é que encontra agora? É possível, com todos os objetivos que apontou e também europeus, continuar a apostar na Formação como nos últimos anos?

Essa foi uma palavra que usei devido à qualidade que a equipa do Benfica tinha! O mais importante aqui, agora, é falar do presente e do futuro. Como se diz no futebol, passado é museu… o passado são dez títulos, mais nada, mais nada vale para além disto, os títulos. Foram a confirmação do meu trabalho no Benfica. Agora, o que importa é o presente e futuro, e é nesses dois indicadores que me quero focar.

É conciliável a aposta na Formação?

Todos os clubes em Portugal, todos, têm de fazer apostas na Formação. Não há nenhum que não faça, porque os clubes portugueses são clubes vendedores. O Benfica, nestes últimos anos, tem sido um exemplo: João [Félix] foi vendido por uma verba que poucos jogadores no mundo tiveram o privilégio. As equipas portuguesas, como são vendedoras, têm de continuar a formar jogadores. Mas não nos podemos esquecer de algo: o futebol português é vendedor, e se se vendem os melhores jogadores portugueses, como é que se pode, depois, ter uma boa equipa? Não se tem… O Benfica vai voltar a ter uma política que teve comigo, formação e à procura de novos jogadores sem ser em Portugal. Fazer uma simbiose, uma união de qualidade. É esse o novo ciclo e foi esta a ideia que nos levou a vários êxitos e a várias conquistas.

Apresentação Jorge Jesus Benfica

"Não vamos jogar o dobro, vamos jogar o triplo!"

Que palavra é que define este novo ciclo de Jorge Jesus no Benfica? Se disse que foi difícil sair do Flamengo porque estava no paraíso, onde é que está agora? 

Vou tentar conquistar outro paraíso, é isso que me compete, a mim, à minha equipa técnica e os demais englobados nos êxitos do Clube. Estamos convictos de que temos capacidade para fazer um grupo, uma equipa muito forte. Não vim para o Benfica, como li nalguns jornais, para fazer uma revolução. Nada disso. O que vou fazer é mudar conceitos e ideias com as pessoas que estão cá. Dentro do perfil daquilo que entendo que leva ao êxito, vou tentar que possamos fazer uma equipa muito forte, para que no fim do ano desportivo possa dizer que voltei ao paraíso. A palavra que define o novo ciclo? Foi 2009, estou de volta em 2020, passaram mais de dez anos. Não sou o mesmo treinador de quando saí do Benfica. Sou diferente, acho que sou muito mais treinador. Tenho ideias muito mais valorizadas para o Benfica e para o futebol português. Quando saí, dei uma entrevista a uma televisão onde disse que a linguagem do futebol em Portugal tinha de começar a mudar. E quem tem de ser o pioneiro e liderar essa linguagem vai ser o Benfica, porque tem capacidade para o fazer.

Apresentação Jorge Jesus Benfica

"O Benfica tem de recuperar o prestígio internacional"

Quando saiu do Benfica, em 2015, foi dito que Jorge Jesus na altura não se adequava ao projeto que o Clube tinha para o futebol. Passados estes anos, o que mudou para voltar?

Os projetos de futebol são assim, fazem-se e desfazem-se. Numa altura são uns, noutra altura são outros. O futebol é assim, e não vamos inventar nada, porque o futebol é mesmo isso, a valorização das pessoas, o reconhecimento dos caminhos que se quer criar. Por isso é que os projetos numa altura são uns, noutra altura são outros. O novo ciclo do Benfica é com um projeto muito mais vencedor.

Tem noção de que este regresso ao Benfica é controverso porque quando saiu [em 2015] foi para o Sporting. Se ganhar uma competição europeia, acredita que vai convencer os adeptos?

A única coisa que posso prometer é o meu trabalho. Não chego ao Benfica agora como há 10 anos. Chego com muitos títulos que muita gente ajudou a ganhar. Está a chegar ao Benfica um treinador que é muito conhecido no mundo. E agradeço a quem? Ao Benfica, ao Flamengo e à minha capacidade de trabalho. O que prometo aos Benfiquistas é trabalhar, dar alegrias aos adeptos, porque é nisso que eu acredito. Quando cheguei ao outro lado do Atlântico ninguém acreditava em mim, e não eram 7 milhões, mas sim 50 milhões, e quando saí de lá choraram por mim. É isto que vou tentar fazer no Benfica.

Apresentação Jorge Jesus Benfica

"Chega um treinador muito conhecido no mundo. Agradeço ao Benfica, ao Flamengo e à minha capacidade de trabalho"

O Presidente pediu-lhe os títulos europeus que são tão ambicionados pelo Benfica. Tendo assinado por duas épocas, pode prometer nestes dois anos o título europeu?

Em qualquer país, mas neste caso Portugal, o grande objetivo é o Campeonato Nacional. Esse é o principal objetivo das três maiores equipas, todavia, há emblemas que podem ambicionar mais títulos no contexto europeu. O Benfica tem de recuperar o prestígio internacional. No meu tempo o Benfica chegou a duas finais europeias, isso fez com que me tornasse ainda mais conhecido. Esse é o caminho que temos de fazer. As exigências deste clube pedem um Benfica internacional, um Benfica a jogar na Europa à Benfica. Para chegarmos a títulos internacionais, neste caso Liga dos Campeões e Liga Europa, temos de fazer uma reflexão de tudo. Estamos, o Presidente, eu, o Tiago Pinto, o Rui Costa e agora, com a nova entrada na estrutura, o Luisão, a tentar formar uma equipa muito forte. Queremos ganhar tudo. Estou habituado a ganhar tudo. Queremos chegar a títulos internacionais e é para isso que vamos trabalhar. Podemos prometer confiança, compromisso, queremos os adeptos todos unidos por uma causa. Essa causa chama-se Benfica, não é Jorge Jesus. Eu sou treinador de futebol, não sou treinador de nenhuma equipa. Em todas as equipas onde trabalho, trabalho com convicção, com paixão, amor e morro por elas. É assim que eu penso.

Discurso JJ Apresentação Benfica

"Temos capacidade para entusiasmar os grandes jogadores da Europa"

Tem-se falado de muitos reforços para a nova época. Já tem planeada a temporada nesse sentido? Gostava de contar com Cavani e com jogadores que trabalharam consigo no Flamengo?

Temos estado a falar internamente – eu, o Presidente, o Rui Costa e o Tiago Pinto – sobre o que vai ser a estrutura do plantel do Benfica. Acreditamos que temos capacidade para entusiasmar os grandes jogadores da Europa para virem jogar no Benfica com um objetivo bem definido. Não vou falar em nomes. Isso não importa. O que importa é trabalhar e ter a certeza do que se pode contratar. Sabemos os alvos que queremos, sabemos até onde podemos chegar e temos de ser conscientes dos jogadores que podemos contratar para satisfazer os objetivos que o Benfica tem. O Benfica tem um leque de jogadores que estão nesta casa, e vão continuar porque têm muito valor. Com a ajuda de outros, vamos fazer uma grande equipa e vamos arrasar.

Coincidência, ou não, o novo treinador do Flamengo, Domènec Torrent, está a ser apresentado neste preciso momento. Tem algum conselho para lhe dar?

Neste momento, aqui, é o novo treinador do Benfica que está a ser apresentado. Percebo perfeitamente a sua pergunta, mas não tenho nada que dar conselhos ao novo treinador do Flamengo. Ele saberá o que tem de fazer e terá jogadores para o ajudar, de certeza. Desejo-lhe as maiores felicidades, tal como desejo para mim.

Texto: Diogo Nascimento, João Sanches, Marco Rebelo e Sónia Antunes

Fotos: Isabel Cutileiro e Tânia Paulo / SL Benfica

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar